Pages

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Juazeiro - Ziziphus joazeiro


Nome científico: Ziziphus joazeiro Mart.
Família: Rhamnaceae
Sinônimos: Zizyphus. gardneri Reiss.
Nomes vulgares: Nomes populares – juazeiro, joazeiro, joá, juá, juá-espinho, juá-fruta, enjuá e laranjeira-de-vaqueiro. 
Origem/significado do nome: 
O nome do fruto – juá – é de origem tupi e vem de “a-ju-á”, que significa “fruto colhido dos espinhos”.


Distribuição geográfica: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.  Cresce nos campos abertos ou nas caatingas dos sertões do polígono das secas. Vegeta no nordeste do Brasil (do Piauí até o norte de Minas Gerais).




Informações ecológicas – Planta perenifólia, heliófita e seletiva higrófila, característica e exclusiva de várzeas da região semi-árida (caatinga). Seu profundo sistema radicular permite retirar água do subsolo para manter- se verde mesmo durante o período de estiagem. Prefere solos aluviais argilosos, mas cresce também em tabuleiros áridos e pedegrosos. Lugar na sucessão vegetal: planta secundária. Produz anualmente grande quantidade de sementes viáveis, que são amplamente disseminadas pelos animais.


O juazeiro quase sempre cresce onde há água no subsolo, baixadas úmidas ou situações semelhantes. Quando germina fora desses ambientes, para sobreviver durante a estiagem, despe-se das folhas, igualmente às suas companheiras da caatinga.


Hábito e porte: Árvore de 4 a 10 metros de altura, que cresce com porte variável conforme o local onde se desenvolve. Em boas condições de água e fertilidade do solo, chega a atingir cerca de 12 metros e proporcional tamanho de sua copa, que, geralmente, vem até próximo ao solo. O tronco pode ser simples ou dividido e distâncias variáveis da base, tendo 10 m ou mais de altura e 60 cm ou mais de diâmetro, com acúleos retos, casca cinérea com rimas logitudinais superficiais, por fim lisa; raminhos novos de cascacinéreo-oliva, divaricados, flexuosos, redondos, cobertos, com os pecíolos e pedúnculos, de tênue pilosidade só visível com a lente.

Folhas: de 5-7 ou até 10 cm de comprimento e 3-5 cm de largura, pecioladas, largo-ovais, cordiformes na base, agudas ou meio acuminadas, levemente coriáceas, lisas, meio reluzentes, serrilhadas, glabras, mas pubescentes nas nervuras da face dorsal, de cor verde-forte, as inferiores o mais das vezes elíptica, obtusas e as outras menores; estípulas freqüentemente caducas, transformando-se em acúleos retos, assovelados. 
A epiderme superior da folha deste vegetal é desprovida de estômatos e de pelos. Suas células têm paredes sinuosas o que lhes aumenta a resistência contra as compressões. A epiderme inferior possui muitos estômatos, do tipo comum e pelos simples, unicelulares. É notória nesta epiderme, a grande enervação, que confere a estas folhas, um aspecto coriáceo. 

Flores: pequenas, reunidas em inflorescência axilar cimosa, com ramos pilosos; melíferas.  Inflorescência em cimeiras quase globosas, multifloras, pedúnculos curto-dicótomo, igual ou pouco excedente ao pecíolo; cálice de 4-5 mm de comprimento, pétalas recurvas, de úngula linear e lâmina arredondada. Floresce durante os meses de novembro-dezembro.

Fruto: é uma drupa pequena, arredondada, com aproximadamente 1,5 a 2,0 cm de diâmetro e 2 g de peso, de um amarelo-castanho, levemente áspero, glabra ou glabrescente; pedicelo com 0,3 a 0,6 cm de comprimento e pubescentes. 

A parte carnosa é comestível, rica em vitamina C, de cor creme e com até 3 mm de espessura. O caroço é castanho escuro, mais ou menos obovóide, de superfície rugosa.
Uso:
Ziziphus joazeiro, além de oferecer uma excelente sombra, a entrecasca, rica em saponinas, serve de sabão dentrífico, quando raspada; é excelente tônico capilar quando em infusão ou macerada. A infusão da folha é estomacal e a água do juá é empregada para amaciar e clarear a pele. 

Os seus frutos maduros depois que caem depois de secos à sombra, caídos ao solo, tornam- se verdadeiras passa, que são saboreadas pelos ouvidos e caprinos. Um excelente vinho tipo "moscatel" pode ser feito com o fruto nesse estado. 



O juá maduro é muito estimado pelas crianças e adultos. Mitiga a fome e a sede em tempo de seca. As raspas das cascas do juazeiro têm várias aplicações; a principal é a de substituírem o sabão nos lugares onde a água é salobra. De fato, elas guardam uma propriedade saponácea que em qualquer água espumam abundantemente.
Poder de reprodução: 
A reprodução está muito dependente do apodrecimento da polpa que muitas vezes só um ano depois, passado o inverno está a semente em condições de germinar. Livre a semente e encontrando condições ambientas, protegidas do sol, germinam muito lentamente.


Sistemas silvícolas:
O joazeiro deve ser plantado em faixas ou em agrupamentos. Primeiro como quebra-vento e abrigo para os rebanhos e o segundo como sombra para a pequena criação. Na mata, propriamente, não há interesse de sua presença, principalmente do meio de árvores de valor econômico intolerantes à sombra.

Cuidados
Não há pragas ou moléstias a temer economicamente, a não ser, às vezes, a lagarta da folha. Todavia o seu cuidado principal está no seu plantio em definitivo e na sua cuidadosa proteção, contra os caprinos e ovinos principalmente. 



Obtenção de sementes - Colher os frutos diretamente da árvore quando iniciarem a queda espontânea. Em seguida despontá-los manualmente, lavar as sementes em água corrente e, deixá-las secar à sombra. Um quilograma de sementes contém aproximadamente 1.720 unidades. Sua viabilidade em armazenamento é curta, não ultrapassando 5 meses. 



Produção de mudas: 
Colocar as sementes para germinação logo que colhidas, diretamente em recipiente individuais contendo substrato organo-argiloso e, mantidos em ambiente semi-sombreado. Cobrir as sementes com uma camada de 0,5 em de substrato peneirado e irrigar diretamente. A emergência ocorre em 70-100 dias e, a taxa de germinação é geralmente baixa. O desenvolvimento das mudas é lento, ficando prontas para o plantio no local definitivo em 8-9 meses. O desenvolvimento das plantas no campo é lento dificilmente ultrapassado 2 m aos 2 anos de idade. 

3 comentários:

  1. Olá, boa tarde!
    Entrei para conhecer a tão falada fruta de juá, e achei interessantíssima. Espero um dia ter a oportunidade de degustá - la pois onde moro( Mato Grosso) não a temos.
    Obrigada por proporcionar - me tais informações e parabéns pelo blog.
    Att,
    Eliane Carvalho

    ResponderExcluir
  2. Estou Conhecendo mais a fundo o Jóa... por causa de um trabalho que meu professor solicitou... tenho essa fruta aqui perto de casa, muito interessante conhecer suas utilidades e riquesas naturais existentes na mesma!.
    Sou da região Nordeste do País "Paraiba".

    ResponderExcluir
  3. Olá, Eliane!

    Venha aqui no Rio Grande do Norte onde temos bastante juazeiros os quais estão próximo a frutificarem. Na Escola Agrícola de Jundiaí da UFRN estamos desenvolvimentos alguns produtos alimentícios a partir dos frutos, juás.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!

 

Blogger news

Nº de Visualizações

About