Pages

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Janaguba - Himatanthus drasticus (Mart.) Plumel.


A Janaguba, também conhecida como Janauna, Janaúba já classificada como Plumeria drastica, é uma Apocinácia alta com folhas largas tipo latifólios, coriáceos e flores em corimbos, ou seja um inflorescência indeterminada, em que as flores saem de pontos diferentes da mesma haste ou eixo, mas terminam na mesma altura porque seus pedicelos são de tamanhos diversos.

É uma espécie arbórea que cresce até 7m de altura, com folhagem densa nas extremidades dos ramos. Sua distribuição geográfica vai desde o sudeste do Brasil até a Guiana Francesa, Suriname e Guiana. No Brasil ocorre nos estados de Minas Gerais, Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba, Piauí, Maranhão, Pará e Roraima. (Plumel, 1991).

Entre seus outros nomes populares distingue-se ainda pau santo, jaraúba, tiborno, iborna dos sertanejos, Menezes (o.c.) . Tiborna, raivosa e jasmim-manga em Minas Gerais e Bahia, (sendo que esse último também designa as p/ Joly Plumerias de flores brancas ou róseas) janaguba no Ceará, pau-de-leite no Piauí, joanaguba no Rio Grande do Norte, sucuuba na Amazônia. Plumel, (o.c.). A diversidade de ambientes pode mascarar variedades e mesmo diferentes espécimes tal como identificam alguns autores.

Usos
Janaguba de flor rosa
Segundo Menezes (o.c.), seu látex é tóxico em grandes doses e usada nas moléstias do fígado. Purgativo e febrífugo. Fornecendo matéria corante e com lenho útil na carpintaria.
É comum no Nordeste do Brasil a utilização do latéx diluído como medicamento, comercializado com o nome de "Leite de Janaúba". A obtenção desse preparado é feita retirando-se 10x30 cm de casca do tronco, e aparando-se o látex com auxílio de uma colher com água. Vai-se colocando em uma garrafa de um litro até que a mistura látex & água, resulte em uma sedimentação esbranquiçada com cerca de 1/4 a 1/3 da garrafa, com um sobrenadante róseo. A mistura deve ser mantida em ambiente bem frio. Há falsificadores que vendem leite de mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) como sendo "leite de janaúba". 
A Himatanthus drasticus, conhecida popularmente como janaguba, tem uma longa história de emprego na cura do câncer no nordeste brasileiro, porém quase sem registro na literatura. Recente investigação da atividade antitumoral do extrato bruto metanólico das folhas de Himatanthus drasticus frente ao modelo experimental Sarcoma 180 confirmou sua atividade antineoplásica, o extrato testado apresentou inibição tumoral significativa em relação ao grupo controle nas doses de 300 mg/kg e 400 mg/kg de peso do animal com um percentual de inibição de 67.7% e 68% respectivamente. Na menor dose analisada, 200 mg/kg, o percentual de inibição tumoral foi apenas de 32.8%. A avaliação de sua toxicidade aguda. revelou baixa toxicidade nas doses testadas (50, 300 e 2000 mg/kg) por via oral. A análise histopatológica apresentou alterações em nível hepático, pulmonar, baço e renal.
Na Floresta Nacional do Araripe (Flona), estima-se que existam 30 pés de janagubas por hectares. A espécie tem potencialidades medicinais e é indicada, principalmente, para os tratamentos contra as doenças do sistema digestivo e câncer. Mas também já há relatos do uso no combate à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids). Da planta é extraído apenas o látex. Atualmente, apenas em Crato e Barbalha, cerca de 50 extratores sobrevivem da venda deste produto e aproximadamente 100 famílias envolvidas na cadeia produtiva.
Para garantir a reprodução da espécie, a Flona estabeleceu um período de defeso entre os meses de dezembro e janeiro, onde não deve ocorrer a exploração. No momento, está sendo concluída uma pesquisa sobre o impacto ecológico da coleta do leite de janaguba. Em sua tese de doutorado, a pesquisadora, Cristina Baldauf, aponta que a forma tradicional de exploração da planta é sustentável e que ainda não há riscos de extinção da espécie. 

Desde a década de 70, quando o médico José Ulisses Peixoto iniciou o tratamento de pacientes com câncer por meio da ingestão do leite da janaguba, a planta vem sendo bastante observada. Porém, os estudiosos indicam que é necessário tomar algumas precauções quanto aos procedimentos extrativistas. A recomendação principal é sobre os métodos de retirada superficial da casca das árvores, respeito ao período de reprodução, remoção de grandes áreas na circunferência do caule, utilização de ferramentas que não agridam profundamente a planta e cumprimento do tempo de espera de três anos entre uma colheita e outra.

Desde 2008, os estudos farmacológicos vem comprovando as propriedades medicinais da janaguba. Há vários relatos de cura dos males. O leite da planta já está sendo vendido em todo o País e até no exterior. No Cariri, o produto pode ser encontrado em praças e mercados públicos ou sob encomenda. O potencial de venda é tão grande que até pequenas empresas foram abertas para dar conta da demanda. 

Para estabelecer normas de sustentabilidade e de boas práticas de manipulação, o ICM-Bio cadastrou alguns dos extratores. Pioneiro neste tipo de atividade, há aproximadamente 36 anos, o comerciante Marcos Cartaxo Esmeraldo revende o leite da janaguba. Ele conta que, diariamente, em seu depósito, que fica localizado na Rua Cícero Araripe- 257, no Bairro Pimenta, no Crato, diversas pessoas procuram o produto. Mas, os pedidos podem ser feito por fone.

FIQUE POR DENTRO

Pesquisadores estudam o leite do vegetal Tradicionalmente, o tratamento das doenças digestivas e do câncer com o leite janaguba é feito através da ingestão do líquido. Pesquisadores estão estudando as propriedades do produto para checarem à comprovação científica. A recomendação é que o uso do remédio deve permanecer durante um ano, quando o paciente ingere seis colheres de sopa do produto, diariamente. Para as pessoas que estão enfrentando algum tipo de quimioterapia, a medicação não é aconselhada. Mas, pode ser usada apenas nos intervalos entre um procedimento e outro. O leite da janaguba age no sistema imunológico, aumenta a taxa de linfócitos e expulsa o corpo estranho, além de prevenir contra infecções e inflamações.
Fontes
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1203194
http://www.luizberto.com
http://www.nordesturismo.com.br

3 comentários:

  1. O meu irmão tomou este leite e está em estado grave numa UTI. Essa erva cura tudo...vc nunca mais tem nada, pois ela corroendo dos os órgãos...É UM VENENO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andréa, é verdade que seu irmão está na UTI? O que ele tem? Como que ele tomou? Moro em Santa Catarina e você? Estamos procurando esse remédio que dizem ser milagroso. Podes me dar informações?

      Excluir
  2. Entre a dose mortal e a recomendável há uma grande diferença.

    ResponderExcluir

Obrigado pela sua participação!

 

Blogger news

Nº de Visualizações

About